A Prefeitura de Santa Maria, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, realizou a microchipagem de 10 cavalos abrigados no Instituto Assistencial de Bem-Estar Animal (IABEA). Os animais foram resgatados da rua ou de situações de maus-tratos. Eles ficam no IABEA, na região nordeste da cidade, para tratamento de complicações de saúde e, posteriormente, são colocados para adoção, desde que não sejam utilizados em carroças e em competições e, também, não sejam vendidos pelo novo tutor.
 
“O trabalho de instituições como o IABEA é fundamental na busca pelo bem-estar animal. Entretanto, é preciso ressaltar que todas as instituições que querem trabalhar com o Município precisam estar regularizadas, com toda a documentação em dia. Nesta quarta-feira, identificamos eletronicamente os cavalos que foram recolhidos pela Coordenadoria de Trânsito e Mobilidade Urbana e pela Guarda Municipal”, explica o superintendente de Bem-Estar Animal da Prefeitura de Santa Maria, Alexandre Caetano.
 
A diretora administrativa do IABEA, Alexandra de Abreu Pinheiro, acredita que a microchipagem é importante para que exista o controle dos cavalos, principalmente aqueles que eventualmente são encontrados soltos em via pública.
 
“A cidade precisa desse controle. É muito cruel o estado de saúde no qual os cavalos chegam ao IABEA. Por isso, é tão importante identificarmos os cavalos e incentivar a propriedade responsável”, afirma Alexandra.
 
Quando o cavalo que está no IABEA é adotado, a entidade comunica a Prefeitura através da autorização de fiel depositário. O Município, então, atualiza os dados do proprietário no sistema de microchips.
 
Essa não é a primeira vez que a Prefeitura atua em parceria com o IABEA. Em 2019, outros cavalos de posse do instituto já foram microchipados pela Secretaria de Meio Ambiente.
A ação ocorreu na quarta-feira (1°).
Fonte: Secretaria Extraordinária de Comunicação
Foto: IABEA/Divulgação